domingo, 19 de junho de 2016

Solidariedade aos trabalhadores da região da França.


Há mais de dois meses, somos centenas de milhares que lutamos pela revogação da lei "MEDEF e Cie". Estas leis aparecem depois de muitas outras medidas ruins, todas elas com o mesmo objetivo: cortar direitos sociais, diminuir salários, fazer as relações trabalhistas mais precárias e flexíveis, para segundo eles tornar as empresas mais competitivas. Quando escutamos os patrões e o governo,´parece que é nossa culpa o fechamento de fábricas, as demissões e as falências por que somos muito bem pagos, por que teríamos muitos benefícios sociais. As empresas porém, jamais tiveram tantos benefícios como hoje, pouco lhes importa se nossos salários não chegam ao fim do mês. Nas manifestações, nos bloqueios de ruas, nos piquetes e greves, discutindo, mudando entre nós, redescobrindo que somos do mesmo mundo, somos os trabalhadores explorados e humilhados. Falando, dizendo e atuando juntos descobrimos  novamente a ajuda mútua, a solidariedade e nossa força.  Esta energia que emana de nossa ação, capaz de fazer retroceder os patrões e o governo, só a ação direta pode expressar. Neste movimento se desenvolvem práticas de assembleias populares de maneira mais ampla do que no passado, a auto-organização que nos anima, é a única que pode levar a justiça social e a uma sociedade libertária.
Não esqueçamos dos inúmeros dirigentes sindicais que nos convidaram há votar nesse governo. Este mesmo governo que agora coloca em execução uma repressão totalitária visando defender os interesses capitalistas. Aos olhos de todo mundo esta evidente verdade: As eleições servem só para eleger nossos donos, e as promessas comprometem os que acreditam nelas. Para defender nossos direitos, para que atendam nossas reivindicações, confiemos só em nossas forças e na ação direta. Não confiemos nossa sorte à políticos que são todos desligados de nossa realidade. Não trabalhamos ali de ternos e gravatas, trabalhamos de capacetes, uniformes, aventais.

CNT/AIT
Toulouse 
França.












EXPRESSAMOS NOSSA SOLIDARIEDADE AOS COMPANHEIROS DE CNT/AIT-FRANÇA E A TODOS OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS EM LUTA, PELA DEFESA DE SEUS DIREITOS!
QUE SUAS LUTAS NOS SIRVAM DE EXEMPLO, QUE NOSSA SOLIDARIEDADE SEJA ARMA QUENTE NO COMBATE AOS  CORTE DE DIREITOS E A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO EM TODO O MUNDO.
Sindivários Araxá COB/AIT

http://www.cntaittoulouse.lautre.net/




  



sexta-feira, 17 de junho de 2016


CONTRA O MONITORAMENTO EM ÁREAS EXCLUSIVAS DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS.

Repudiamos e condenamos o monitoramento de refeitórios dos trabalhadores e trabalhadoras, é constrangedor, serve para vigiar em momentos de refeição e descanso, sendo uma violação do direito à privacidade.
Exigimos a retirada de câmeras de monitoramento onde trabalhadores e trabalhadoras fazem suas refeições.


Há consenso doutrinário e jurisprudencial de que o pretexto utilizado pelos empregadores de se obter maior segurança patrimonial encontra impedimento nos direitos da personalidade do trabalhador, não sendo admitida a captação, nem tampouco a gravação de imagens em locais como vestiários, banheiros e refeitórios, bem assim não se justificando o mero monitoramento da execução do trabalho por tais meios.
A denúncia sobre o uso de câmeras que ferem a privacidade dos empregados, neste caso, chegou ao MPT através da Justiça do Trabalho, que já havia julgado uma ação individual e condenado o hospital ao pagamento de indenização por danos morais a um ex-empregado, pelo uso indevido de sua imagem, gravada no local de trabalho.


Fonte: Ministério Público do Trabalho





Adiantamos que a mudança de conduta por parte de patrões é uma exigência imediata, sendo aberta a possibilidade em caso de negativa de que passemos para o ambiente de conflito sindical aberto.


Sindivários Araxá-Núcleo sindical comerciários COB/AIT


domingo, 12 de junho de 2016


NEM DILMA, NEM TEMER, FORA TODOS!

É proposital a polarização direita/esquerda na política brasileira, para que pense dentro da caixa do sistema capitalista, para só tenha em mente um possível "menos pior", uma polarização que jamais vai até as causas do problema, a democracia representativa não representa nada mais do que os interesses dos ricos e poderosos.
Precisamos ir além, ir até as causas dos nossos problemas, entender porque sempre pagamos a conta das crises criadas por eles para assim cortarem nossos direitos, colaborando assim, com patronais e todo tipo de especuladores.
Aumenta a carestia de vida, aumenta o desemprego, aumenta a precarização laboral, nós sofremos todos os dias as consequências das decisões dos de cima, precisamos tomar as rédeas, precisamos decidir os rumos de nossas vidas, é urgente gerirmos as lutas de agora e toda riqueza que produzimos.
Não existe solução no campo político, todos os partidos e políticos só estão ali porque seguem a lógica do capitalismo, e do respeito e submissão as patronais, na direita ou na esquerda a máxima será sempre de preservação das regalias aos poderosos, enquanto nós trabalhamos e pagamos a conta com nossas vidas, com jornadas cada vez maiores e salários que representam a morte do trabalhador e da trabalhadora.
As centrais sindicais oficiais são ninhos de parasitas, não podemos esperar por soluções vindas do sindicalismo parasita/oficial, destes que nunca comparecem aos locais de trabalho e vivem de acordos com patrões e do dinheiro do imposto sindical, temos de romper imediatamente as barreiras impostas por um sindicalismo de origem fascistas e mantido por pilantras de toda espécie, temos de organizar cada vez mais nossos núcleos sindicais autogeridos, guiados pela máxima solidariedade e sem reconhecer fronteiras, precisamos denunciar a polarização política, precisamos denunciar o sindicalismo oficial, necessitamos urgentemente estarmos organizados em defesa de nossos mínimos direitos sem esperar nada dos meios oficiais, nossa ferramenta se chama ação direta!
A disputa entre dois lados da mesma moeda, dilma e temer, é apenas um teatro montado para te enganar, nossos problemas estão naqueles palácios e sua defesa do capita, dos bancos e das vidas de mordomias que vivem os supostos representantes do povo, somente o povo pode se representar, fora da caixinha planejada para manter a ordem da desigualdade e exploração do povo.
Nós, entendemos a origem de nossos problemas, não entendemos como pode haver gente alienada o bastante para defender um governo de ladrões, formado por sindicalistas que sempre fizeram acordos para prejudicar o trabalhador e a trabalhadora, um governo de esquerda que sancionou leis de criminalização do protesto social e vendeu nossos direitos, não entendemos também como pode haver gente estúpida o bastante para acreditar que os movimentos pró-impeachment não eram bancados por partidos, em marchas repletas de elementos autoritários propagam o nacionalismo sem jamais causarem qualquer risco ao sistema dominante, eles são parte do sistema dominante, tanto um lado como outro, defendem que o povo continue submisso, continue vendendo sua vida em troca de uma sobrevivência miserável.
Estamos sofrendo as consequências da carestia de vida, cada dia mais desempregados e o sofrimento da rede pública de saúde, vivemos uma vida que não corresponde há tudo aquilo que produzimos, somente nós, trabalhadores e   trabalhadoras produzimos riqueza real, patrões e políticos vivem as custas do nosso suor, temos de dizer basta!
Temos que gerir nossas lutas em defesa de direitos, temos de gerir toda riqueza produzida por nós, temos de dizer FORA TODOS! Sem mais parasitas, sem mais ilusão partidária e nacionalismo fascista, basta de tudo isso! Deveres e direitos iguais para todos e todas, somente nas ruas podemos mostrar nossa força.
Estamos vivendo sob condições degradantes enquanto sustentamos uma corja de parasitas, até quando vamos suportar?
Nós, da COB/AIT denunciamos desde muitos anos as mentiras do governo petista/pelego, era evidente que fariam nós, trabalhadores e trabalhadoras, pagarmos a conta do ufanismo e dos projetos de poder do partido que diz ter sofrido um golpe mas cortou direitos exatamente como os outros, criminalizaram protestos sociais e seguem costurando acordos para voltar ao poder e sancionar as medidas que tanto vão agradar as patronais e o capitalismo.
Diferente do que dizem alguns, não somos "radicais" em nossas posições, somos sensatos e honestos, temos princípios, aqui ninguém sobrevive de sindicalismo, não somos braço de nenhum partido, somos uma ferramenta de luta em defesa de direitos imediatos e emancipação total, pela total liberdade de todos e todas, somos uma proposta real de lutas aqui e agora, sem as mentiras sistematizadas e os interesses do capitalismo, sabemos quem são nossos inimigos, entendemos todos os de cima como torturadores cotidianos de nossa gente, seja no transporte público, em horas de trabalho que alienam ou no sistema de saúde público, estão torturando todos e todas, estão matando nossa gente e nos organizar é a saída.
Vamos pras ruas! vamos nos organizar em todos os locais onde ainda não exista um núcleo, locais de trabalho, moradia, estudo e lazer, precisamos nos defender, precisamos dizer FORA TODOS! Contra todas as mentiras dessa fajuta democracia, nossa organização!
Não acredite nos personagens criados pela mídia, a missão dos meios de comunicação será sempre defender as patronais, como naquelas marchas nacionalistas que reverenciavam quem deseja cortar nossos direitos, a gang do pato amarelo e as federações de indústria, entidades patronais que vêem apenas como custo de produção, não espere bondade dos patrões, eles desejam acabar com nossos direitos questionando até mesmo nosso direito de ter horário de almoço. Não se iluda com as mentiras do governo que saiu, eles também são apenas defensores das patronais e bancos, sindicalistas milionários com patrimônio construído através de acordos com os exploradores, imagine quanto ganha o presidente de um sindicato oficial que consegue manipular assembleias e diminuir por exemplo os aumentos reivindicados em períodos anteriores ao dissídio, os parasitas ganham muito com nossos salários miseráveis.
Não sustente parasitas, pratique autogestão em defesa de seus direitos e de sua liberdade, nem dilma nem temer, FORA TODOS!

terça-feira, 7 de junho de 2016

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES


I – Introdução
A luta secular entre explorados e exploradores adquiriu uma amplitude ameaçadora. O Capital, omnipotente, levanta novamente a sua cabeça monstruosa. Apesar das lutas intestinas que dilaceram a burguesia e o capitalismo cosmopolitas, estes encontram-se, actualmente, em magníficas condições de relacionamento, as quais lhes hão-de permitir lançarem-se com uma maior unidade e uma maior força sobre o proletariado, a fim de o submeterem ao carro triunfante do Capital.
O capitalismo organiza-se, e, da situação de defesa em que se encontrava, lança-se agora numa ofensiva, em todas as frentes, sobre a classe trabalhadora. Esta ofensiva tem a sua origem profunda em causas bem concretas: na confusão de ideias e princípios que existe nas fileiras do movimento operário, na falta de clareza e de coesão acerca das finalidades actuais e futuras da classe operária, e na divisão em inumeráveis sectores; numa palavra, na debilidade e na desorganização do movimento operário.
Contra este ataque cerrado e internacional de toda a espécie de exploradores, apenas um procedimento é possível: a imediata organização da classe proletária num organismo de luta que acolha no seu seio todos os trabalhadores revolucionários de todos os países, constituindo assim um bloco granítico contra o qual chocarão todas as manobras capitalistas, as quais, por fim, acabarão por ser esmagadas pela própria força do seu enorme peso.
Este movimento de emancipação não pode aceitar as linhas de conduta indicadas pelas tendências do movimento dos trabalhadores que aspiram à harmonia entre o capital e o trabalho, desejando uma paz internacional com o capitalismo e incorporando-se no Estado burguês. Tão pouco pode aceitar as tendências que propagam os princípios da ditadura do proletariado, contrários à finalidade da maior liberdade possível e do bem-estar para todos, pois é este o objectivo de todos os trabalhadores conscientes.
Contra a ofensiva do Capital e contra os políticos de todas as espécies, os trabalhadores revolucionários do mundo inteiro devem pôr de pé uma verdadeira Associação Internacional dos Trabalhadores, na qual cada membro esteja consciente de que a emancipação da classe trabalhadora não será possível enquanto os próprios trabalhadores não consigam, na sua qualidade de produtores, e através das suas organizações económicas, preparar-se para a tomada de posse das terras e das fábricas e tornarem-se capazes de as administrar em comum, de modo a estarem em condições de poder continuar a produção e assegurar toda a vida social.
Com esta perspectiva e esta finalidade diante de nós, o nosso dever de trabalhadores consiste em participarmos em todas as acções que impliquem objectivos de transformação social, sempre com a intenção de nos aproximarmos da realização dos nossos próprios fins; fazendo sentir, nessa participação, o peso da nossa própria força, esforçando-nos por fornecer ao nosso movimento, para a propaganda e a organização, os meios necessários que lhe permitam substituir-se aos seus adversários. De igual modo, em todas as situações em que tal seja possível, há que pôr em prática o nosso sistema a título de modelo e de exemplo, devendo as nossas organizações, dentro das suas possibilidades, exercer a máxima influência possível sobre as outras tendências, com o fim de incorporá-las na nossa própria acção, isto é, na luta comum contra todos os adversários estatais e capitalistas, não deixando de ter sempre em conta as circunstâncias de lugar e de tempo, mas conservando, no entanto, os objectivos do movimento emancipador dos trabalhadores.
II – Os princípios do sindicalismo revolucionário
1. O sindicalismo revolucionário, baseando-se na luta de classes, tende para a união de todos os trabalhadores através de organizações económicas e de combate que lutem pela sua libertação do duplo jugo do Capital e do Estado. A sua finalidade consiste na reorganização da vida social, com base no Comunismo Libertário e mediante a própria acção revolucionária da classe trabalhadora. Considerando que apenas as organizações económicas do proletariado são capazes de alcançar este objectivo, o sindicalismo revolucionário dirige-se aos trabalhadores, na sua qualidade de produtores e de criadores de riquezas sociais, para neles germinar e se desenvolver, opondo-se, assim, aos modernos partidos operários, os quais considera sem capacidade para uma reorganização económica da sociedade.
2. O sindicalismo revolucionário é inimigo irreconciliável de todo o monopólio económico e social, e tende para a sua abolição através da implantação de comunas económicas e de órgãos administrativos geridos pelos trabalhadores dos campos e das fábricas, formando um sistema de conselhos livres, sem estarem subordinados nem a qualquer tipo de poder nem a qualquer partido político. O sindicalismo revolucionário ergue, contra a política do Estado e dos partidos, a organização económica do trabalho, e ao governo do homem pelo homem opõe a gestão administrativa das coisas. Por conseguinte, não é sua finalidade a conquista dos poderes políticos, mas sim a abolição de toda a função estatal na vida da sociedade. O sindicalismo revolucionário considera que, com o desaparecimento do monopólio da propriedade, deve também desaparecer o monopólio da dominação, e que toda a forma de Estado, tenha ela a cor que tiver, nunca poderá ser um instrumento de libertação humana, antes pelo contrário, sempre será criador de novos monopólios e de novos privilégios.
3. O sindicalismo revolucionário tem uma dupla função a cumprir: por um lado, prosseguir a luta revolucionária quotidiana, cujo objectivo é o de melhorar as condições económicas, sociais e intelectuais da classe trabalhadora, dentro dos limites da sociedade actual; por outro lado, a de educar as massas, tornando-as capazes tanto de uma gestão independente no processo de produção e de distribuição, como de uma tomada de posse de todos os elementos da vida social. O sindicalismo revolucionário não aceita que a organização de um sistema social totalmente apoiado no produtor possa ser regulamentada por uns meros decretos governamentais; afirma, sim, que essa organização apenas poderá ser realizada através da acção comum de todos os trabalhadores, manuais e intelectuais, em cada ramo de indústria, através de uma gestão feita pelos próprios trabalhadores nos locais de trabalho, de modo a que cada agrupamento (fábrica ou ramo de indústria) seja um membro autónomo dentro do organismo económico geral, organizando a produção e a distribuição segundo um plano determinado por meio de acordos mútuos que tenham em vista os interesses da comunidade.
4. O sindicalismo revolucionário opõe-se a todas as tendências de organização inspiradas no centralismo do Estado e da Igreja, uma vez que apenas servem para prolongar a própria vida do Estado e da autoridade e para sufocar sistematicamente o espírito de iniciativa e de independência de pensamento. O centralismo é a organização artificial que submete os chamados órgãos de base aos chamados órgãos de cúpula, colocando nas mãos de uma minoria a regulamentação de assuntos que dizem respeito a toda a comunidade e transformando o indivíduo num autómato cujos gestos e movimentos são dirigidos. Na organização centralista, os valores da sociedade são submetidos aos interesses de apenas alguns, a variedade é substituída pela uniformidade, a responsabilidade pessoal por uma disciplina unânime. É por esta razão que o sindicalismo revolucionário assenta a sua concepção social numa ampla organização federalista, isto é, numa organização construída de baixo para cima, na união de todas as forças a partir de ideias e de interesses comuns.
5. O sindicalismo revolucionário recusa toda a actividade parlamentar e toda a colaboração com os órgãos legislativos, pois entende que nem mesmo o mais livre sufrágio poderá eliminar as evidentes contradições existentes no seio da sociedade actual e que o sistema parlamentar apenas tem um único objectivo: o de dar uma aparência de direito ao reino da mentira e das injustiças sociais.
6. O sindicalismo revolucionário recusa todas as fronteiras políticas e nacionais, arbitrariamente criadas, e declara que o chamado nacionalismo não passa da religião do Estado moderno, por detrás da qual se encobrem os interesses materiais das classes possidentes. O sindicalismo revolucionário não reconhece outras diferenças senão as de carácter económico, regionais ou nacionais, e reclama para todo o agrupamento humano o direito a uma autodeterminação acordada, solidariamente, entre todas as outras associações do mesmo género.
7. É por idênticas razões que o sindicalismo revolucionário combate o militarismo e a guerra. O sindicalismo revolucionário recomenda a propaganda contra a guerra e a substituição dos exércitos permanentes, que são os instrumentos da contra-revolução ao serviço do capitalismo, por milícias operárias, as quais, durante a revolução, serão controladas pelos sindicatos operários; e exige, para além disso, o boicote e o embargo de todas as matérias-primas e produtos necessários para a guerra, exceptuando casos em que se trate de um país onde os trabalhadores estejam a fazer uma revolução de tipo social, já que, em tal situação, há que ajudá-los na defesa dessa revolução. Por último, o sindicalismo revolucionário recomenda também a greve geral preventiva e revolucionária como meio de acção contra a guerra e o militarismo.
8. O sindicalismo revolucionário reconhece a necessidade de organizar a produção de forma a não causar danos ao meio ambiente, reduzindo ao mínimo a utilização de recursos não renováveis, utilizando, sempre que possível, alternativas renováveis. O sindicalismo revolucionário identifica a procura do lucro, e não a ignorância, como a causa da actual crise do meio ambiente. A produção capitalista, para sobreviver, procura sempre conseguir lucros cada vez mais elevados, através da minimização dos custos, sendo incapaz de proteger o meio ambiente. Concretamente, a crise mundial da dívida externa acelerou a tendência para a produção agrícola comercial, em detrimento da agricultura de subsistência, o que provocou a destruição das selvas tropicais, a fome, as doenças. A luta para salvar o nosso planeta e a luta pela destruição do capitalismo ou são conjuntas ou fracassarão ambas.
9. O sindicalismo revolucionário afirma-se partidário da acção directa, e sustém e impulsiona todas as lutas que não estejam em contradição com as suas próprias finalidades. Os seus métodos de luta são: a greve, o boicote, a sabotagem, etc. A acção directa encontra a sua mais profunda expressão na greve geral, a qual deve igualmente ser, do ponto de vista do sindicalismo revolucionário, o prelúdio da revolução social.
10. Inimigo de toda a violência organizada, seja por que tipo de governo for, o sindicalismo revolucionário tem em conta que, durante as lutas decisivas entre o capitalismo de hoje e o comunismo livre de amanhã, se produzirão violentíssimos confrontos. Por conseguinte, aceita a violência que se possa usar como meio de defesa contra os métodos violentos que as classes dominantes hão-de pôr em prática, quando o povo revolucionário lutar pela expropriação das terras e dos meios de produção. Como esta expropriação só poderá ser iniciada e levada a cabo através da intervenção direta das organizações económicas revolucionárias dos trabalhadores, a defesa da revolução deve igualmente encontrar-se nas mãos dos organismos económicos e não nas mãos de uma organização militar, ou semelhante, que se desenvolva à margem deles.